A GAROTA DO LAGO – CHARLIE DONLEA

“Despreparada para o ataque dele, Becca sentiu os calcanhares serem arrastados por sobre o piso de ladrilhos. Então, ele a empurrou com força contra a parede. Agarrando-a pelos ombros e pelos cabelos, arrastou-a até a cozinha.”


•SINOPSE•

Summit Lake, uma pequena cidade entre montanhas, é esse tipo de lugar, bucólico e com encantadoras casas dispostas à beira de um longo trecho de água intocada. Duas semanas atrás, a estudante de direito Becca Eckersley foi brutalmente assassinada em uma dessas casas. Filha de um poderoso advogado, Becca estava no auge de sua vida.

Agora, enquanto os habitantes chocados, reúnem-se para compartilhar suas suspeitas, a polícia não possui nenhuma pista relevante. Atraída instintivamente pela notícia, a repórter Kelsey Castle vai até a cidade para investigar o caso.

… E LOGO SE ESTABELECE UMA CONEXÃO ÍNTIMA QUANDO UM VIVO CAMINHA NAS MESMAS PEGADAS DOS MORTOS.

A selvageria do crime e os esforços para manter o caso em silêncio sugerem mais que um ataque aleatório cometido por um estranho. E enquanto descobre sobre as amizades de Becca, sua vida amorosa e os segredos que ela guardava, a repórter fica cada vez mais convencida de que a verdade sobre o que aconteceu com Becca pode ser a chave para superar as marcas sombrias de seu próprio passado.


Uma cidadezinha tranquila do interior à beira de um lago é um cenário perfeita para um crime brutal e inesperado.

Becca Eckersley é uma estudante de Direito e filha de um poderoso advogado, ela vai para a casa dos pais à beira do lago Summit para estudar e colocar a cabeça no lugar, pois se encontra em uma fase complicada e cheia de segredos. Ela está à espera de alguém, quando escuta batidas na porta. Surpresa ao ver quem encontra, num misto de emoções, abre a porta, quando é arrastada de forma agressiva até a cozinha enquanto luta desesperada pela própria vida, porém agredida e violentada, acabando por morrer no local.

Dividido em 4 partes, A Garota do Lago é narrado e intercalado sob duas perspectivas: temos os dias atuais apresentado por Kelsey Castle, jornalista que após um recente período traumático é mandada para Summit Lake para investigar o assassinato de Becca. Vemos o desenrolar de suas investigações, os possíveis suspeitos, e os segredos envolvendo Becca, também sabemos mais sobre o trauma que sofreu e como sua investigação a ajuda a superá-lo.

“Kelsey sabia, porém, que o recreio não duraria para sempre. Viera a Summit Lake para escrever a história do assassinato de uma garota, mas também para sossegar seus demônios interiores. Isso exigiria autorreflexão, algo em que ela não era boa.”

A outra perspectiva nos apresenta os 14 meses anteriores da vida de Becca, até o dia fatídico. Sua personalidade e seu cotidiano, sempre acompanhada de seus amigos, Jack, Gail e Brad, como sua relação com cada um deles. Tomamos conhecimento de alguns segredos escondidos que ao ser descoberto, balança a amizade de um deles.

Apesar do ritmo um pouco lento no início, a narrativa é interessante, o autor utiliza de alguns jogos de palavras que confundem (ou enganam) o leitor, deixando tudo um pouco vago, algumas situações incomodam e existem algumas incoerências. Os personagens são pouco cativantes e mal explorados a meu ver (mas até que consegui gostar da Rae e simpatizei com a Kelsey).

Algumas coisas que incomodam:

  • O motivo do crime que é algo que a meu ver parece bem banal para um crime tão brutal;
  • Os “segredos” de Becca, na verdade não são tão terríveis quanto o livro parece querer mostrar;
  • Kelsey como jornalista renomada em alguns momentos parece meio amadora, ao deixar o detetive entrar em seu quarto sem antes esconder todo seu material sobre sua investigação do crime, ou quando contava praticamente tudo que descobria pra Rae, a gerente do bar que tinha acabado de conhecer (e que eu até achei que tivesse algo a ver com a morte de Becca);

  • O jeito como as pessoas se envolveram com Kelsey, a ponto de quase se prejudicarem, como o delegado que perde o cargo ou o médico que pode arruinar sua carreira entrando escondido no prédio do governo;
  • O fato de o pai de Becca nunca aparecer, mas estar envolvido na investigação e no controle das informações que são noticiadas. Será que seria realmente tão ruim para a carreira dele (que estava tentando um cargo político), se esses “segredos” fossem revelados publicamente?

“-Dizem que não é o crime que abala as pessoas. Você sabe disso? – Sim – Brad respondeu, sorrindo. – É esconder a verdade.”

E para citar uma incoerência, a cena da morte: no início do livro, mostra que assim que Becca abre a porta, ela já começa a ser agredida. No fim, ao reconstituir a cena, a agressão só acontece depois de uma breve conversa (erro ou intencional?).

Quanto ao assassino, foi fácil de descobrir, mas como eu disse, o jogo de palavras usado pelo autor nos confunde e nos faz acreditar no contrário, mesmo tendo absoluta certeza de quem seja, até mesmo os personagens agem de acordo como se aquela fosse uma verdade.

Em alguns momentos o livro te prende (como a cena do avião que para mim foi realmente inesperada e um baque!!!), mas apesar de criativo, o final não surpreende, porém de um modo geral eu gostei do livro, apesar de deixar aquela sensação de que poderia ser melhor.


Livro: A Garota do Lago

Autor: Charlie Donlea

Editora: Faro Editorial

Páginas: 296

Nota: 3/5


 

1 Comment

  1. neuz

    04/02/2021 at 14:57

    Oiiie, o livro tem um edição que em um erro de tradução na pagina 161 faz com que o sinal não tenha sentido

Leave a Reply