MESTRE GIL DE HAM – J. R. R. TOLKIEN

Um Bacamarte, era isso mesmo? – perguntou, coçando a cabeça. – Achei que fossem mutucas!


•SINOPSE•

Esta divertida história, é ambientada no vale do Tâmisa, na Inglaterra, num passado maravilhoso e distante, quando ainda existiam gigantes e dragões.

Seu herói, Mestre Gil, é na realidade um fazendeiro totalmente desprovido de heroísmo, mas que, graças à boa sorte e à ajuda do cachorro Garm, da égua cinzenta e da espada mágica Caudimordax (ou Morde-cauda), amansa o dragão Chrysophylax e ganha enorme fortuna.

 

 


A história se passa há muito tempo atrás numa Inglaterra, onde existiam gigantes, dragões, e os cães falavam com as pessoas e tudo começa quando um gigante, entra sem querer nas terras de Mestre Gil, e o mesmo, atira no gigante com seu bacamarte, expulsando o gigante que imaginava estava sendo atacado por mosquitos, tornando se assim, herói de Ham, depois disso, a vida de Mestre Gil, nunca mais foi a mesma.

Mestre Gil de Ham, é um livro de leitura fácil, agradável, leve e engraçado, daqueles tipos que se lê numa tarde de sábado ou em uma manhã de domingo, não tem o tom sério e pesado dos livros como Senhor dos anéis ou Hobbit, também pudera, foi escrito por Tolkien como uma história infantil para seus filhos.

É centrada em Mestre Gil, no Dragão Chrysophylax e na espada Morde-cauda.

Mestre Aegidius Ahenobarbus Julius Agricola de Hammo ou simplesmente, mestre Gil de Ham, é um fazendeiro meio ranzinza, corajoso, porém muito preguiçoso, de muito bom senso e bastante sortudo.

Chrysophylax, um dragão de antiga linhagem imperial, rico, esperto, mas não muito corajoso, que acaba sendo capturado por Mestre Gil pelo medo que possui da espada Morde-cauda.

A espada Caudimordax, ou morde-cauda, foi dada a mestre Gil pelo Rei como presente por ter espantado o gigante de suas terras, é uma espada mágica que pertenceu ao maior de todos os matadores de dragões, Bellomarius, tetravô do rei.

Os dois encontros de Mestre Gil com o Dragão, apesar de serem em situações diferentes são hilários e a conversa dos dois é bem cômica.

-Bom dia! – disse o dragão. – Você parece surpreso.

-Bom dia! – disse Gil. – E estou mesmo.

-Perdoe-me – disse o dragão, que tinha levantado uma orelha cheia de suspeita […]. – Perdoe-me perguntar, mas por acaso você não estava me procurando?

E gente, não posso terminar essa resenha sem falar da égua cinzenta de mestre Gil, ela não fala como Garm (o cachorro super covarde dele), mas sabemos o que ela está pensando, e sério, ela é muito engraçada…

No livro também consta o manuscrito da primeira versão da história original, o que é bem interessante pois podemos ver um pouco a forma de como Tolkien desenvolve suas histórias. Também tem um pequeno escrito bem curtinho da continuação da história, agora com George, o filho de Mestre Gil.


Livro: Mestre Gil de Ham

Autor: J. R. R. Tolkien

Editora: WMF Martins Fontes

Páginas: 104

Nota: 5/5


 

Leave a Reply